Em resposta a Jayme, Mauro diz que quem não tem seu apoio tem ‘direito de espernear’

“O direito de espernear faz parte também daqueles que não tem nosso apoio”. Esta foi a resposta do governador Mauro Mendes (DEM) às acusações feitas por seu correligionário, o senador Jayme Campos (DEM). Na noite de quinta-feira (5), Jayme disse que o governo estadual pressiona servidores a comparecer em eventos do senador interino e candidato à reeleição Carlos Fávaro (PSD), e que Fávaro está tentando comprar prefeitos.

“Eu, como cidadão, tenho direito de dizer quem eu apoio. E eu apoio Carlos Fávaro, ponto. Se isso é capaz de influenciar alguém, faz parte do processo político e da democracia”, afirmou Mauro na manhã desta sexta-feira (6), após a assinatura de ordem de serviço para início das obras do Hospital Central.

 A respeito do dinheiro e pressão sob os prefeitos, Mauro disse que são eles que devem responder às acusações. “Se eles estão sendo influenciados por isso ou por aquilo é eles que tem que responder, não eu. Eu estou fazendo meu papel de governador, que é governar bem, que é resolver problema, que é melhorar o estado, que é dar contribuições aos municípios, e isso está sendo feito, todo mundo está vendo”.

O senador Jayme Campos (DEM) fez um discurso acalorado na noite da última quinta-feira (6), em reunião política de apoio ao candidato ao Senado Nilson Leitão (PSDB). Em referência clara ao senador interino e candidato à reeleição Carlos Fávaro (PSD), mas sem citar nomes, Jayme disse que ele seria uma ‘marionete’, que ‘não tem boa índole’ e que está ‘com saco de dinheiro para comprar prefeitos’.